parallax background

Programação da Viagem de Moto para Argentina, Chile, Peru e Bolívia

26 de junho de 2019
VIAGEM DE MOTO: Argentina, Chile, Peru e Bolívia – TRECHO 05 – Uyuni à Chapecó
21 de junho de 2019
Roteiro Completo Viagem de Moto Argentina, Chile, Peru e Bolívia
3 de julho de 2019

 


MELHOR MÊS PARA VIAGEM | QUAL CAMINHO SEGUIRMONTAGEM DO ROTEIROMAPA DA VIAGEM |


Mesmo antes de iniciarmos nossa viagem para Ushuaia, em dezembro de 2017, já estávamos programando as viagens do próximo ano. E como em qualquer programação de viagem que se preze, é preciso começar definindo uns dos três seguintes fatores:

Período do ano que se deseja viajar, ou para muitos, o único período do ano disponível.

Tempo disponível para esta viagem;

Destino que deseja conhecer ou revisitar;

Nem sempre a época do ano disponível coincide com a melhor época para visitar o local que se deseja, bem como o tempo necessário pode ser diferente daquilo que se dispõe.

No nosso caso, como somos profissionais liberais, temos liberdade de escolha quanto ao período do ano e quanto ao tempo.

 É claro que também precisamos trabalhar, e em épocas onde muita gente viaja e tira férias, como no período do natal e final de ano, fica melhor para conciliarmos os três fatores principais.

Foi o caso da viagem para Ushuaia, onde o período do ano recomendado para se viajar para lá, especialmente de moto, é no verão, onde as temperaturas são mais amenas e chove menos.

 

No entanto desta vez gostaríamos de conhecer novos lugares. Já havíamos ido ao Uruguai, Argentina, Chile, mas ainda não conhecíamos o Peru e a Bolívia. Em especial tínhamos curiosidade em conhecer as ruínas de Machu Picchu.

E assim começamos nosso planejamento: Definindo o destino principal. Após isso iniciamos as pesquisas para verificar qual o melhor trajeto, melhor época do ano, quantos dias seriam necessários e etc.

 


MELHOR MÊS PARA VIAGEM | QUAL CAMINHO SEGUIRMONTAGEM DO ROTEIRO | MAPA DA VIAGEM |


MELHOR MÊS PARA VIAGEM

Após pesquisar cuidadosamente as questões climáticas nas regiões que iríamos conhecer, decidimos que o mês escolhido seria Setembro. Isso pelos seguintes fatores:

O verão deve ser evitado para viajar para as regiões de montanha do peru, pois é época de chuva, as chamadas monções, e há riscos de inundações e principalmente deslizamento de terra e pedras.

Há também o fator que o caminho escolhido passava pelo Chaco Argentino, e no período do verão as temperaturas podem ser insuportáveis.

O inverno é época de seca, no entanto em algumas regiões montanhosas, as temperaturas negativas poderiam ocasionar gelo na pista e até mesmo fechamento das estradas. Como é o caso específico do Paso Jama, onde passamos no caminho de ida, e a altitude chega a quase 5.000 metros acima do nível do mar.

Paso Jama

Sendo assim as melhores épocas para a viagem são as meias estações.

Escolhemos setembro pois como estava mais próxima do inverno, as montanhas estariam com mais neve e porque em outubro já começaria a aumentar o nível pluviométrico esperado.

Indicadores estatísticos do clima do Machu Picchu durante o ano
Fonte: www.ingressomachupicchu.com

 


MELHOR MÊS PARA VIAGEM | QUAL CAMINHO SEGUIRMONTAGEM DO ROTEIRO | MAPA DA VIAGEM |


QUAL CAMINHO SEGUIR

Ao pesquisar no Google maps a rota para Macchu Picchu verifica-se alguns caminhos possíveis:

1 – Pelo Brasil, entrando por Corumbá e passando por Santa Cruz de La Sierra. Que para muitas regiões do país, vai ser a melhor opção.

2- Pela argentina até San Salvador de Jujuy e entrando pela Bolívia, e;

3 – Pela argentina até San Salvador de Jujuy e entrando pelo Chile através do Paso Jama, e entrando no Peru por Tacna;

 

Opções de Rota para Viagem até Macchu Picchu

Eu confesso que prefiro viajar por estradas hermanas do que pelas nossas estradas tupiniquins. Isso devido ao estado das estradas, à quantidade de pardais, e até mesmo questões de segurança. Então de cara descartei esta opção.

Como um bom motociclista que se preza, eu também prefiro não fazer o mesmo caminho da ida, na volta. Isso quando possível, claro.

Então resolvi que faria um caminho na ida e outro na volta. Como eu também sempre prefiro fazer o caminho mais longo e com menos atrativos na ida, quando o corpo e a mente estão mais animados e descansados, optei por entrar pelo Chile, depois seguir ao Peru, e voltar pela Bolívia.

Infelizmente para nós que moramos no Brasil, chegar até os destinos mais bonitos da América do Sul exige passar um bom tempo na estrada sem muitos atrativos. Isso acontece indo para Mendoza, ou Salta, ou Bariloche, e Ushuaia então nem se fala.

Sendo assim nos sempre optamos por fazer estes caminhos “chatos” da forma mais rápida e conservadora possível.

 


MELHOR MÊS PARA VIAGEM | QUAL CAMINHO SEGUIRMONTAGEM DO ROTEIRO | MAPA DA VIAGEM |


MONTAGEM DO ROTEIRO

 

É claro que a viagem não iria se resumir a ir ate Machu Picchu. No caminho planejamos diversas paradas turísticas para conhecer ou revisitar cidades interessantes.

No caminho de ida iríamos passar muito próximo de San Pedro de Atacama, que já conhecíamos, mas que por suas belezas naturais poderia voltar dezenas de vezes. Então resolvi ficar um dia livre lá. E tivemos a grata surpresa de encontrar as lagunas altiplânicas cobertas de neve.

Lagunas Altiplânicas

Se você quiser saber mais sobre San Pedro de Atacama, clica nos links: 

Dicas e passeios de San Pedro de Atacama

– Link trecho 01: Chapecó a San Pedro de Atacama

Depois entrando no peru, resolvemos planejar um pequeno desvio para conhecermos Arequipa, La Ciuda Blanca. E valeu muito a pena.

Dicas e passeios de Arequipa

De Arequipa poderíamos seguir pela serra até a cidade de puno e depois Cuzco. Mas sabe como é, já que estamos no peru, vamos dar uma esticadinha de 1000km e vamos conhecer Lima, a capital, já que não saberíamos quando voltaríamos para estas bandas.

No caminho até Lima passamos nas linhas de Nazca e paramos na cidade de Paracas, onde há diversos passeios por ilhas, que são santuários para lobos marinhos, pinguins e etc.

– Paracas: onde o deserto encontra o mar

Guia completo de Lima

– Link trecho 02: San Pedro de Atacama a Lima.

Após Lima seguiríamos pelas serras. Alias, aqui cabe um parêntese. Nunca vi país pra ter tanta serra como o Peru. Tem uma serra do rio do rastro a cada 100km. Mas isso é outro capítulo.

Saindo de Lima, com direção ao vale sagrado, onde se encontram as ruínas de Macchu Picchu entre outras tanto, teríamos várias opções de caminho a seguir, pela serra é claro. No entanto, tínhamos a dica do mestre Vantuir Boppre, que nos sugeriu conhecer a região dos cânions entre as cidades de Alis e Tomas.

Canyon entre Alis e Tomas

E assim fizemos, chegando então e finalmente até a região de Cuzco, onde ficam todas estas belezas naturais e culturais da humanidade.

– Salinas de Maras

– Moray: o laboratório agrícola dos incas

– Ollantaytambo: o portal para o mundo inca

– Guia completo Machu Pichu

– Guia completo de Cusco

– Link trecho 03: Lima à Cuzco

Veja só como uma programação para uma viagem até um destino em especifico acaba abrindo um leque para diversos outros destinos que se encontram no caminho, ou ao alcance com breves desvios (ou não).

Mas a programação não acabou, afinal teríamos todo o percurso de volta para planejar.

Seguindo a decisão de fazer a volta pela Bolívia, percebemos que passaríamos pelo Lago Titicaca e as cidades turísticas de Puno, no Peru, e Copacabana, na Bolívia. Obvio que resolvemos conhecer também. Optamos por Copacabana por termos a informação que Puno é uma cidade suja e sem infraestrutura.

– Guia completo Copacabana e Isla del Sol

Após o lago Titicaca, já na Bolívia, passamos próximo, mas não tínhamos interesse em conhecer La Paz, então passamos reto e fomos até outro destino turístico mágico para os motociclistas: O Salar de Uyuni.

– Guia completo Salar de Uyuni

– Link trecho 04: Cuzco a Uyuni

Após conhecer Uyuni seguiríamos de volta até o Brasil. Sendo que após San Salvador de Jujuy o caminho foi o mesmo da Ida. Como eu disse no início do post, estes trechos menos interessantes eu prefiro fazer da forma mais rápida e de preferência onde eu conheço.

– Link do trecho 05: Uyuni a Chapecó

Todo este roteiro foi definido no planejamento de viagem, com uma boa antecedência.  Eu sei que tem gente que prefere deixar o roteiro mais livre para ir adaptando conforme o caminho mostra. Já nós gostamos de planejar bem, para tentar aproveitar ao máximo a viagem e não correr o risco de na volta ficar sabendo de um lugar maravilhoso que se passou do lado, e não conheceu.

 


MELHOR MÊS PARA VIAGEM | QUAL CAMINHO SEGUIRMONTAGEM DO ROTEIRO |MAPA DA VIAGEM |


MAPA DA VIAGEM

Segue Mapa completo da viagem e link de todas as descrições, trecho a trecho.

Mapa completo da Viagem: Brasil, Argentina, Chile, Peru e Bolívia

 

Abaixo disponibilizamos todo o trajeto, para que possa ser visualizado no GoogleMaps.

 


Veja o vídeo que produzimos desta Viagem de moto Brasil, Argentina, Chile, Peru e Bolívia.

 

 

 



IMPORTANTE: 

Nós nos esforçamos para manter o blog atualizado, mas alguns detalhes podem sofrer alterações a qualquer momento.  Sempre confirme datas, preços e informações.



 

 Salve este post no seu Pinterest para lembrar do nosso blog sempre que for planejar sua viagem.

 


 

Gostou do nosso conteúdo? Deixe um comentário aqui no site!

 

 

Thiago Damo
Thiago Damo
Arquiteto por profissão, viajeiro por paixão, motociclista por essência. A possibilidade de compartilhar momentos e caminhos me motivam a seguir na estrada.

4 Comments

  1. Avatar Rejane disse:

    boa tarde amigo, adorei todas as sua dicas, só não consegui identificar em quanto tempo vc fez …abraços

  2. Avatar JOAO CARLOS DE SOUZA disse:

    Olá. Sua viagem deve ter sido fantástica. Parabéns!
    Estou me preparando para um roteiro bastante semelhante ao seu…
    Vcs poderiam informar sobre o trecho entre Huancayo e Huanta? É muito difícil de rodar? qual a condição do ripio naquele trecho?
    Obrigado

    • Olá João, tudo certo? Então… este trecho para nós foi muito dificil pois a estrada estava fechada para reparos e nós pegamos um desvio que só piorou a situação. Mas de qualquer forma a estrada normal já estava bem detonada. Lá as estradas não asfaltadas não são de ripio, mas sim terra vermelha em algumas partes e um areião em outras. A dificuldade não é a aderencia, mas sim as estradas esburacadas, estreitas e ao lado de um penhasco. Dito isso, faria novamente este trecho se necessário, mas apenas não repetiria o desvio, heheh. espero ter ajudado. Abraços. Ahhh.. outra coisa, ficamos em Huanta pois chegamos já tarde e cansados, mas a cidade tem pouquissimas opções de estadia. Então melhor seguir até Ayacucho.
      Obrigado pelo contato,se tiver mais alguma coisa que a gente possa ajudar não deixe de nos chamar.
      Abraços,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Inscreva-se

Fique por dentro de todas as novidades do Viajeiros! Digite seu e-mail e receba nossos posts em primeira mão.

Name
Email *